Obras de Picasso estão confinadas em Tóquio após cancelamento de exposição

Obras de Picasso estão confinadas em Tóquio após cancelamento de exposição

Obra de Picasso, da exposição Diálogos com Picasso, no Museu de Málaga Foto: EFE/Jorge Zapata

Quadros de Miró e Dalí também estão em um armazém impedidos de serem devolvidos ao Museu Nacional de Arte de Catalunha
EFE


A maior coleção itinerante do Museu Nacional de Arte da Catalunha (MNAC) – incluindo obras de PicassoMiró e Dalí– está confinada em um armazém em Tóquio depois do cancelamento de uma exposição na capital japonesa pela pandemia de coronavírus.

Devido à falta de voos devido à situação global da saúde, nem os organizadores japoneses da exposição podem devolver as obras para a Espanha, nem os técnicos do MNAC podem verificar pessoalmente suas boas condições.

A chefe de Registro e Exposições do museu de Barcelona, Susana López, explicou que, do Japão, eles receberam todas as garantias de segurança e climatização para certificar o bem-estar das obras. “A cada semana, a empresa que armazena as obras nos envia os registros de temperatura e umidade. Nós repassamos ao nosso departamento de conservação preventiva para verificar se tudo está correto e se as obras estão em condições adequadas”, disse López.

A coleção fez parte da exposição Barcelona, a Cidade dos Milagres Artísticos, que abriu na Galeria da Estação de Tóquio em 8 de fevereiro e foi suspensa vinte dias depois pela indicação do governo japonês de fechar grandes espaços com grande afluência para evitar contágio.

A galeria permaneceu fechada até a data prevista para o encerramento da exposição, no dia 5 de abril. Então, os organizadores japoneses desmontaram a mostra e a armazenaram em um armazém. “Oferecemos prolongar o empréstimo por mais tempo, como já fizemos com outros trabalhos que temos em outros lugares. Não foi possível. Não sabemos se foi uma questão econômica ou se foi devido a compromissos que eles já tinham assumido”, afirmou López.

Para a desmontagem de uma exposição desse calibre, o MNAC geralmente envia dois supervisores de sua equipe para verificar se o processo está correto, mas, dessa vez foi impossível. Assim, o certificado pelo bom estado das obras foi por meio de fotografias de alta qualidade enviadas pela galeria. Existem obras muito fáceis de desmontar, mas essa exposição tem luminárias, cerâmicas e móveis. Eles têm pontos mais frágeis que outros, é preciso saber para onde levá-los”, explicou López, que, no entanto, afirmou que estava “muito tranquilo” por causa do profissionalismo dos japoneses.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

RSS
Follow by Email
Facebook20