DUXcoworkers dá recomendações para startups e PMEs sobre boas práticas na LGPD

DUXcoworkers dá recomendações para startups e PMEs sobre boas práticas na LGPD

A partir de agosto deste ano, além de advertências, infrações poderão incidir em multas de até 2% do faturamento da empresa ou grupo econômico

A Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais, conhecida como LGPD, está em alta. Se por um lado é ótimo para nós, pessoas físicas e também usuários dos meios digitais, pela maior proteção à privacidade de dados, é, para o pequeno e médio empreendedor momento de estudar as melhores práticas para gerenciar as informações dos clientes.

A lei entrou em vigor em setembro no ano passado mas, diante do cenário de incertezas que demanda a colaboração de agentes públicos e privados, as sanções nela previstas serão aplicadas a partir do segundo semestre de 2021, que podem ir da advertência à aplicação de multa simples, alcançando até 2% (dois por cento) do faturamento da empresa, a suspensão ou proibição de atividades relacionadas ao tratamento de dados pessoais.

“O principal objetivo da LGPD é prevenir danos à privacidade dos dados pessoais de seus titulares pela criação de diretrizes para que ocorra o tratamento de dados pessoais. Isso pode soar simples para as grandes empresas, mas para as pequenas e médias, que não têm verbas destinadas ao tema e sobretudo ao compliance jurídico, é importante buscar alternativas para aplicar as boas práticas na coleta e armazenamento de dados, seguindo as novas determinações”, esclarece Poliana Alves, advogada e CFO da DUXcoworkers.

Isso se deve porque a lei traz como atenuantes das penalidades a formalização de governança sobre a segurança da informação, indicando, em seu texto, os caminhos para demonstrar boas práticas no tratamento de dados.

“Criamos, para apoiar os empreendedores nesse sentido, uma metodologia que chamamos de Data Privacy Sprint  que é uma consultoria aberta com diversos especialistas, trazendo o olhar do usuário e as orientações técnicas sobre o tema, sobretudo, no contexto jurídico e de ciência dos dados para otimizar as soluções e trazer também oportunidades que podem refletir em novos negócios e na reputação das marcas de clientes pelo cumprimento da LGPD”, pontua Melina Alves, CEO da DUXcoworkers.

Assim, ainda é tempo de reavaliar as estratégias, pensando na longevidade dos negócios, para entender melhor os papéis da ANPD – Autoridade Nacional de Proteção de Dados, do controlador e do operador do tratamento de dados pessoais e extrair o melhor cenário para adequação à LGPD.

SOBRE A DUXCOWORKERS

A DUXcoworkers é a primeira empresa no país e pioneira no mundo a fazer das boas práticas de UX e do coworking a sua cultura de trabalho, desenvolvendo inovação e soluções a partir de inteligências coletivas com foco no usuário. Voltada à execução de produtos e serviços para startups, empreendedores e grandes marcas, a DUXcoworkers atua no mercado desde 2010 e conta com mais de 120 coworkers especializados, distribuídos pelas principais capitais brasileiras e no mundo. Mais informações: www.duxcoworkers.com  

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *