Dia Nacional do Turismo e 105 anos do pedido de desapropriação das Cataratas do Iguaçu

Dia Nacional do Turismo e 105 anos do pedido de desapropriação das Cataratas do Iguaçu

 

O dia 08 de maio marca uma das datas mais importantes para o turismo de Foz do Iguaçu. Foi nesta data o pedido de transformação de área particular em pública, casa do principal atrativo do Paraná

Comunicação e relacionamentos podem sentir com estes eventos

m 08 de maio de 1916, o então governador do Estado do Paraná – que era nomeado como presidente -, Afonso Camargo, oficializou o pedido para desapropriar e transformar as terras do entorno das Cataratas do Iguaçu em uma área pública para o turismo, o que permitiu mais tarde a criação do Parque Nacional do Iguaçu (1939).

O pedido foi atendido no mesmo ano, 28 de julho, e quase um século depois, em 2012, a então Presidente Dilma Rousseff, sancionou a Lei nº 12.625, que determina a data (08/05) como Dia Nacional do Turismo.

A data comemorativa foi criada para celebrar e incentivar as pessoas para que elas possam viajar pelo Brasil, assim como homenagear e celebrar esse setor tão importante.

Com a pandemia, vale lembrar, que o turismo foi um dos setores mais afetados e espera ansiosamente a retomada do fluxo de visitantes.

Hoje, já é possível visitas e passeios, e Foz do Iguaçu cada vez mais se apresenta como uma das regiões mais preparadas para receber os turistas, respeitando todos os protocolos de segurança.

cidade tem uma gama de atrativos, alguns conhecidos e reconhecidos no mundo todo. Todos com um preparo de uma verdadeira operação especial para atender os visitantes nesse período de cuidados redobrados.

Agora, quer saber um pouco mais e por que o Dia Nacional do Turismo tem tudo a ver com Foz do Iguaçu e seu principal atrativo?

Conheça a história que transformou a cidade em um dos pontos turísticos mais desejados de todo mundo.

As Cataratas do Iguaçu ficam dentro do Parque Nacional do Iguaçu, área protegida e maior remanescente do bioma Mata Atlântica da região Sul do Brasil.

A área total do Parque do lado brasileiro é de 1696 Km2 (os Parques argentino e brasileiro somam mais de 2300 Km2). Bem antes de se tornar um parque nacional, o local tem uma história interessante:

No ano de 1542, o espanhol Alvar Nuñez Cabeza de Vaca seguia viagem rumo à cidade de Assunção (Paraguai), quando se deparou com a grandiosidade das Cataratas do Iguaçu.

Ele foi o primeiro europeu a conhecer a região, onde na época viviam os índios guaranis. A área era de propriedade da colônia militar, que por volta do ano de 1900, a cedeu ao uruguaio Jesus Val, quando então passou a ser propriedade particular.

No dia 1º de março de 1916, um outro personagem importante entra na história: o aviador, inventor e esportista Santos Dumont, que estava em Santiago (Chile), para participar da 1ª Conferência de Aeronáutica Pan-Americana. Depois disso, prossegue viagem para Buenos Aires (Argentina).

De lá, decide conhecer as Cataratas do Iguaçu, localizadas no território de Misiones, na fronteira da Argentina com o Brasil.

Frederico Engel, dono de um hotel que ficava onde hoje é a Avenida Brasil (em Foz do Iguaçu), soube da presença de Santos Dumont do lado argentino. Comovido com a nobre visita, Engel e uma comitiva foram convidar Santos Dumont para ver as Cataratas também do lado brasileiro.

Impressionado com a beleza das quedas e durante as conversas com Engel e equipe, Dumont descobriu que a área havia sido doada pela antiga Colônia Militar a um particular. Então, Santos Dumont comenta que o local deveria ser público, patrimônio de todos.

Foi quando decidiu ir até a cidade de Curitiba (sede do governo do Paraná) falar com o presidente.

A cidade vibrou com a visita de Santos Dumont. Ele era muito famoso. Santos Dumont foi recebido no gabinete do presidente do Paraná no dia 8 de maio, onde apresentou o pedido de que o Paraná criasse um parque para proteger as Cataratas e possibilitar a visita de mais pessoas ao local.

Em julho do mesmo ano, foi publicado o Decreto Estadual nº 653, desapropriando a área de 1.008 hectares cedida anos antes a Jesús Val. Assim, ao currículo do esportista, aeronauta e inventor, foi acrescentada a bem-sucedida atuação como ativista pela causa ambiental que hoje é um importante remanescente de biodiversidade e um dos locais mais visitados do mundo!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *