Gestores públicos de quase 70 Prefeituras participam do Webinar das Cidades Digitais da Grande São Paulo

Gestores públicos de quase 70 Prefeituras participam do Webinar das Cidades Digitais da Grande São Paulo

Coordenadora-geral de Transformação Digital do MCTI apresenta detalhes da Carta Brasileira para Cidades Inteligentes que deve nortear o planejamento dos municípios em 2021. Jundiaí, Santo André e São Caetano do Sul compartilham tecnologias

O Webinar das Cidades Digitais da Grande São Paulo, realizado na manhã desta terça-feira (15), pela Rede Cidade Digital (RCD), reuniu gestores públicos de quase 70 municípios para tratar sobre a necessidade de se investir em tecnologia nos serviços públicos.

Foi o 30º e último evento online do ano realizado pela RCD durante a pandemia. Ao todo, mais de mil Prefeituras participaram dos encontros virtuais, em seis Estados (PR, SC, RS, SP, MG e MS), em busca de conhecimento sobre como tornar as cidades mais conectadas e eficientes. “O objetivo é trazer informações e mostrar como os municípios estão se portando, principalmente, neste momento de ruptura na condução dos trabalhos. A tecnologia apareceu como uma aliada importantíssima nesse momento. Aquelas estruturas públicas que não haviam adotado a tecnologia tiveram que correr muito atrás para atenuar um pouco os efeitos da crise”, ressaltou o diretor da RCD, José Marinho.

A Carta Brasileira para Cidades Inteligentes, lançada oficialmente pelo Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) e Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI), na semana passada, também surge como um importante instrumento para orientar o planejamento das Prefeituras em 2021.

Segundo a Coordenadora-Geral de Transformação Digital do MCTI, Eliana Cardoso Emediato de Azambuja, convidada do evento desta terça, o documento foi criado para “estimular convergências, consolidar e aprimorar iniciativas sobre cidades inteligentes”. “No entender da carta, uma cidade inteligente é comprometida com o desenvolvimento urbano, com a transformação digital sustentável, tanto nos aspectos econômicos, ambiental e sociocultural. É uma cidade planejada, inovadora, que promova o letramento digital. É uma cidade que seja boa, que leve facilidades para o cidadão”, resume Eliana Emediato.

A Carta Brasileira para Cidades Inteligentes está disponível no portal da RCD: http://redecidadedigital.com.br/.

Para o subsecretário de Tecnologia e Inovação da Prefeitura de São Caetano do Sul, Luiz Morcelli, a Carta vai contribuir para direcionar os esforços voltados para tecnologia e inovação na cidade. “Vai ser muito importante para nós gestores. É bom ter um norte, um roteiro a ser seguido e estamos utilizando muito a Carta Brasileira para Cidades Inteligentes”, comentou.

Com 160 mil habitantes e localizada no Grande ABC, São Caetano é uma das cidades com melhor qualidade de vida no país e com um ambiente propício para a inovação. “Somos um laboratório a céu aberto de soluções de cidade inteligente e o objetivo principal aqui é melhorar a qualidade de vida das pessoas”, disse Morcelli, destacando a criação da Lei de Inovação que fez com que município pudesse trabalhar a tecnologia e a inovação na cidade.

A partir da Lei, acrescenta o subsecretário, também foram criados o Conselho Municipal de Inovação e um Fundo que garante recursos para se investir na área. “Um dos primeiros trabalhos é a questão de acabar com o papel. Estamos num processo de transformar São Caetano do Sul 100% digital e papel zero. Também estamos apostando muito no 5G para que, quando tiver tudo certo, a cidade esteja preparada para esse tipo de situação”, completou.

São Caetano do Sul também inovou na área tributária. Uma assistente virtual já auxilia os contribuintes que acessam o portal da Prefeitura em busca dos serviços da Secretaria de Fazenda.

O caminho da desburocratização dos processos também requer leis municipais atualizadas. Segundo o secretário de Desenvolvimento e Geração de Emprego da Prefeitura de Santo André, Evandro Banzato, as ações precisam ser construídas em conjunto com entidades e iniciativa privada. “Essa proximidade é fundamental, nos traz inspiração. É importante destacar, ao discutirmos as novas legislações, que sejam construídas com a participação efetiva da iniciativa privada. É quem sabe exatamente quais são as dificuldades, os gargalos e onde estão os problemas dentro da atual legislação”, argumenta. Entre as ações de Santo André, o secretário citou a implantação do Centro de Operações Inteligentes.

Jundiaí é outra cidade reconhecidamente como uma das mais conectadas e inovadoras país. O diretor de Governo da Prefeitura de Jundiaí, Jones Martins, destacou o portal observatorio.jundiai.sp.gov.br, que traz todas as propostas e ações executadas pelo município, e os 150 serviços disponibilizados de forma online à população por meio da Companhia de Informática de Jundiaí (CIJUN).

De acordo com o diretor, a aposta também é desenvolver o ecossistema de inovação da cidade chamado Campus Jundiaí. “Queremos transformar os próprios públicos em hubs de inovação. São 12 prédios que nós detectamos que podem ser geradores de inovação para a cidade. Nós queremos abrir esses prédios para que a população possa trabalhar e desenvolver novas tecnologias voltadas para a cidade”, adiantou Martins.

O Webinar das Cidades Digitais da Grande São Paulo está disponível na TVRCD: https://youtu.be/6FCkOc7tXsA. O evento teve a parceria da S. Clara Comunicação, Inovadora Sistemas, Sigma Telecom, Furukawa e AX4B.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *