Jovens cientistas representam o Brasil na maior feira internacional de ciências e engenharia

Jovens cientistas representam o Brasil na maior feira internacional de ciências e engenharia

Projetos selecionados pela Feira Brasileira de Ciências e Engenharia da Poli-USP participam como finalistas da Regeneron ISEF 2021, evento que reúne estudantes de 65 países

 

Nove projetos científicos de estudantes brasileiros, selecionados pela Feira Brasileira de Ciências e Engenharia (Febrace), participam como finalistas da Virtual Regeneron International Science and Engineering Fair (Regeneron ISEF 2021), a maior feira internacional de Ciências e Engenharia, que está sendo realizada nos Estados Unidos. Promovida pela Society for Science, o evento reúne cerca de 1.800 jovens de 65 países que competem com 1.480 projetos em 21 categorias. O evento é realizado a distância, pela internet, e a mostra dos projetos acontece até esta sexta, 21 de maio, quando serão anunciados os vencedores.

Os projetos indicados pela Febrace foram desenvolvidos por 14 estudantes de escolas do ensino médio e técnico dos estados da Bahia, Ceará, Paraná, Rio Grande do Sul, São Paulo e Mato Grosso do Sul, além do Distrito Federal. Para conhecê-los, basta acessar este site neste link, criar um login e fazer a busca pelo projeto.

Promovida anualmente pela Escola Politécnica (Poli) da USP e realizada pelo Laboratório de Sistemas Integráveis Tecnológico (LSI-TEC), a Febrace participa da Regeneron ISEF há 19 anos. Desde então, os estudantes selecionados pela mostra nacional conquistaram 62 prêmios nessa feira internacional, sendo que em duas ocasiões se destacaram com o primeiro lugar. Para participar da feira internacional, cada estudante ganhou um notebook, fone de ouvido, pacote de dados e uma camiseta, oferecidos pela Embaixada e Consulados dos Estados Unidos no Brasil que patrocinam a delegação brasileira.

Os projetos finalistas são julgados por videoconferências, considerando a capacidade criativa e pensamento científico dos estudantes, além do rigor, competência e clareza demonstrada em seus projetos. O júri é composto de cerca de mil especialistas, de diversas áreas, todos com doutorado ou formação equivalente e experiência relevante na área, além de ganhadores de prêmios importantes, inclusive de Prêmio Nobel.

Os quatro primeiros colocados, em cada categoria, receberão de US$ 3.000 a US$ 500 como prêmios. Entre eles sairá o grande vencedor da feira, que ganhará US$ 75 mil. Os segundos melhores colocados receberão US$ 50 mil cada um. Além dos valores dessas categorias, aproximadamente US$ 4 milhões serão concedidos como prêmios de reconhecimento por patrocinadores da feira, na forma de bolsas de estudo, estágios de verão, viagens científicas e equipamentos de laboratório.

Confira a participação dos estudantes na Virtual Regeneron no link: https://projectboard.world/isef

Projetos participantes da Regeneron ISEF 2021

Os trabalhos foram selecionados durante a Feira Brasileira de Ciências e Engenharia (Febrace), no período de 15 a 26 de março de 2021

Bahia (Salvador) – Sesi Piatã – Escola Djalma Pessoa

Yasmin Barreto Teles Fonseca e Nicole Melo de Almeida são de Salvador (BA) e desenvolveram o projeto “Tecnologia alternativa para aumento germinativo e potencialização de compostos bioativos em culturas de coentro a partir da biomassa de Dunaliella salina incorporada ao biofilme polimérico”.

Distrito Federal (Brasília) – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília

Wanghley Soares Martins é de Brasília (DF) e desenvolveu o projeto “Estratégia para visualização de grandes massas de dados para medicina individualizada com foco na doença de Parkinson”.

Rio Grande do Sul (Osório) – IFRS – Campus Osório

Victórya Leal Altmayer Silva é de Osório (RS) e desenvolveu o projeto “FIDERE: desenvolvimento de um App voltado à economia circular de brechós e associações do litoral norte gaúcho”.

São Paulo (São Paulo) – Colégio Santa Cruz

Guilherme Beyruti Surányi é de São Paulo (SP) e desenvolveu o projeto “Desenvolvimento de uma plataforma robótica submarina open source de baixo custo para o monitoramento de corais.”

São Paulo (Jundiaí) – Etec Benedito Storani

Rafaela Curcio é de Jundiaí (SP) e desenvolveu o projeto “Análise de água automatizada: desenvolvimento de um drone à base de microcontroladores”.

São Paulo (São Paulo) – Colégio Dante Alighieri

Henrique Rodrigues Hissa Amorim é de São Paulo (SP) e desenvolveu o projeto “Tecnologias imersivas no ensino de astrobiologia”.

Mato Grosso do Sul (Aparecida do Taboado) – Centro Integrado Sesi/Senai

Igor Guissane Bruno, João Victor Ramos Sidrônio dos Santos e Diego Soares Ribeiro são de Aparecida do Taboado (MS) e desenvolveram o projeto “Avaliação do potencial repelente do extrato dos frutos de noni (Morinda citrifolia) aplicado em embalagens alimentícias para contenção de carunchos”.

Paraná (Toledo) – Colégio Estadual Jardim Porto Alegre

Ana Carolina Gonçalves Selva é de Toledo (PR) e desenvolveu o projeto “Potencial fungitóxico de diferentes extratos vegetais sobre o desenvolvimento in vitro do fitopatógeno causador da antracnose em frutos de bananeira – Fase IV”.

Ceará (Iracema) – E.E.F.M. Deputado Joaquim de Figueiredo Correia

Paulo Henrique Medeiros Viana, Antonio Danilo Gonçalves do Vale e Alaíde Hellen Bezerra Silva são de Iracema (CE) e desenvolveram o projeto “Construção de um biodigestor para a decomposição de polímeros, utilizando o Zophobas morio“.

Fonte: jornal.usp.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *