Memorial lança número 58 da revista “Nossa América”

Memorial lança número 58 da revista “Nossa América”

O Memorial da América Latina é um centro cultural, político e de lazer, inaugurado em 18 de março de 1989 na cidade de São Paulo

Edição comemorativa do centenário da Semana de Arte Moderna de 1922 aborda personalidades importantes do movimento e como ele se propagou pela América Latina

O Memorial da América Latina lançou no último domingo, 13 de fevereiro, a edição 58 da revista Nossa América, concebida e produzida para celebrar o centenário da Semana de Arte Moderna de 1922. A publicação é do Centro Brasileiro de Estudos da América Latina (CBEAL), braço acadêmico do Memorial.

Esta edição da Nossa América é dedicada ao evento, mas também a analisar como o Movimento Modernista se espalhou pelo continente. Para isso, a publicação traz textos sobre personalidades que articularam e também nomes que participaram da Semana ou de suas ideias, dentre eles Mário de Andrade, Menotti Del Picchia, Villa-Lobos, Pagu e outros.

O número 58 da Nossa América suscita o questionamento de como os modernistas são lidos pela geração atual de artistas e pesquisadores. A pergunta permeia todos os artigos, mas principalmente os dois mais autorais, escritos sob a ótica feminista. Um deles tem um título irreverente que fala por si, “Oswald vestia as calcinhas de Tarsila: 7 posições modernistas 100 anos depois”.

A revista também mostra como o Modernismo influenciou a cultura brasileira e se propagou pela América Latina. Para isso, apresenta uma reportagem sobre o escritor e diplomata mexicano Alfonso Reyes. Ele conviveu e se correspondeu com os grandes nomes da cultura brasileira e latino-americana.

Outro destaque da edição é um instigante artigo sobre Menotti Del Picchia, uma das personalidades que articularam a Semana, e suas contraditórias crônicas de combate em defesa do Futurismo e de uma raiz bandeirante para a modernização do país. Junto com Mário e Oswald de Andrade, Anita Malfatti e Tarsila do Amaral, fez parte do conhecido Grupo dos Cinco – todos contemplados nas páginas da revista, ao lado dos grandes Guiomar Novaes, Di Cavalcanti e Heitor Villa-Lobos.

Confira a publicação completa no endereço: https://memorial.org.br/wp-content/uploads/2022/02/Nossa-América-58_versão-digital.pdf

 

Sobre a Revista Nossa América

Em março de 1989, nascia a Fundação Memorial da América Latina. E com ela, a Nossa América, uma das revistas culturais mais antigas do Brasil, de circulação ininterrupta.

A publicação é distribuída para bibliotecas públicas, instituições de cultura e consulados. Além disso, fica para consulta gratuita na Biblioteca Latino-Americana do Memorial. A versão digital pode ser lida no site da instituição, no canal de publicações (https://memorial.org.br/publicacoes/).

Nossa América teve um início grandiloquente, como o próprio Memorial. Seu Conselho Editorial era presidido por Alfredo Bosi e dele faziam parte Antonio Callado, Augusto Roa Bastos, Darcy Ribeiro, Ernesto Sabato, Eduardo Galeano, Milton Santos, Leopoldo Zea, José Miguel Wisnik, entre outros importantes intelectuais latino-americanos. No rol de colaboradores, fizeram parte Antonio Candido, Gabriel García Márquez, Lygia Fagundes Telles, Ferreira Gullar, Celso Furtado, João Ubaldo Ribeiro, Juan Carlos Onetti, Cacá Diegues, entre outros.

CENTENÁRIO DA SEMANA DE 22 NO MEMORIAL

Pilares de 22

As comemorações ao centenário da Semana de 22 no Memorial foram iniciadas com a inauguração da exposição “Pilares de 22”, no dia 13 de fevereiro. Com curadoria de JAL e ilustrações de Fernandes, a mostra apresenta 16 caricaturas de personalidades que participaram da Semana da Arte Moderna ou que contribuíram para difundir as ideias modernistas pela América Latina. As caricaturas podem ser vistas nas pilastras em frente ao Pavilhão da Criatividade durante todo o ano e contam com mini-biografias de personalidades como Victor Brecheret, Di Cavalcanti, Flávio de Carvalho e  Anita Malfatti.

Retrato de Mário de Andrade

Instalação de reprodução adesivada, em tamanho ampliado, da obra Retrato de Mário de Andrade, do pintor Lasar Segall, fixada na fachada do prédio da Administração do Memorial, com dimensões de 18 m x 7 m, homenageando um dos expoentes do Modernismo Brasileiro. A pintura de Lasar Segall foi cedida pelo Acervo do Instituto de Estudos Brasileiros – IEB – USP.

Avenida Mário de Andrade

O nome da via que atravessa o complexo arquitetônico da Fundação foi alterado de Auro Soares de Moura Andrade para Avenida Mário de Andrade. A ação foi uma iniciativa encabeçada pelo presidente do Memorial da América Latina, Jorge Damião, a partir de uma demanda antiga de dirigentes e servidores que passaram pela Fundação.

Exposição de literatura modernista

O Memorial realiza uma exposição de obras literárias do acervo da Biblioteca referentes ao Modernismo na literatura latino-americana. A mostra “Modernos antes dos modernos: a literatura latino-americana e os modernistas de 22” foi aberta no dia 15 de fevereiro e reúne diversos autores importantes para o movimento.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *