PROJETO PONTOS MIS LEVA EXPOSIÇÕES DO MUSEU DA IMAGEM E DO SOM PARA 11 CIDADES DO ESTADO

PROJETO PONTOS MIS LEVA EXPOSIÇÕES DO MUSEU DA IMAGEM E DO SOM PARA 11 CIDADES DO ESTADO

Diversas mostras fotográficas, desenvolvidas e exibidas pela primeira vez na sede do MIS na capital paulista, passam a circular, a partir de setembro de 2021, em cidades parceiras do Programa

Pontos MIS, programa de difusão estadual das atividades culturais do Museu da Imagem e do Som – instituição da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Governo de São Paulo – inaugura uma nova ação, com a retomada de parte de sua programação presencial. O projeto Exposição Pontos MIS levará diversas mostras fotográficas, desenvolvidas e exibidas pela primeira vez na sede do MIS na capital, a 11 cidades do Interior e Litoral do Estado. A partir de setembro, as cidades de Botucatu, Pindamonhangaba, Guarujá, Ribeirão Preto e Birigui receberão as primeiras mostras. No segundo ciclo, a partir de outubro até dezembro, as cidades de Dois Córregos, Itatiba, Votuporanga, Santos, Ubatuba e Porto Ferreira serão atendidas.

As exposições selecionadas para circular nos municípios são, em grande parte, provenientes do programa Nova Fotografia – que revela novos talentos anualmente, selecionados por convocatória do MIS: Passagens da Inocência, de Giullia Paulinelli, As cinzas de quarta, de Gabriel Quintão, Crônica de banalidades ordinárias, de Sylvia Sanches, TIPOS, de Fernando Banzi e BAMBAS, de Hudson Rodrigues.

Além disso, a exposição O tempo de Amyr Klink, grande sucesso de visitação em 2016, na sede do MIS – e já exposta na cidade de Piracicaba, em 2018 -, também entra em circulação, nas cidades litorâneas de Santos e Guarujá. Ainda sobre a mostra, o púbico de casa pode conferir, gratuitamente, a palestra exclusiva que o velejador brasileiro realizou no Auditório MIS, também em 2016, no Canal do Museu no YouTube.

Exposição Pontos MIS – Agenda 2021

Passagens da Inocência, de Giullia Paulinelli – Botucatu – Na exposição Passagens da inocência, Giullia Paulinelli apresenta figuras humanas nuas, sem definir símbolos que imponham uma ideia ou pensamento. O observador é confrontado com indícios, nada mais. Com uma nudez que não se liga a questões de pudor ou moralidade. Com um olhar não revelado; indeterminado pelas personagens que nos dão as costas.

Serviço: de 3 de setembro a 2 de outubro, quartas, quintas e sextas-feiras das 08h30 às 17h, sábados, domingos e feriados das 11h às 17h

Pinacoteca – Fórum das Artes

Rua General Teles, 1040 – Centro

Botucatu

Após a exibição em Botucatu, a exposição será inaugurada em Dois Córregos a partir de 10 de outubro.

TIPOS, de Fernando Banzi – Pindamonhangaba – A exposição Tipos é um resgate à obra do fotógrafo teuto-brasileiro Alberto Henschel (1827–1882), conhecido pelo registro de paisagens e do cotidiano da monarquia brasileira durante o Segundo Reinado. O trabalho de Fernando Banzi consiste na ressignificação desses registros de pessoas de descendência e/ou origem africana, datados do fim dos anos de 1860, feitos em Recife e Salvador.

Serviço: de 14 de setembro a 28 de novembro, de terça a sábado das 09h às 17h

Museu Histórico e Pedagógico Dom Pedro I e Dona Leopoldina

Rua Marechal Deodoro da Fonseca, 260 – Jardim Boa Vista

Pindamonhangaba

Após a exibição em Pindamonhangaba, a exposição será inaugurada em Ubatuba a partir de 2 de dezembro Teatro Municipal Mário Covas.

As cinzas de quarta, de Gabriel Quintão – Itatiba – É após a ressaca de uma das festas mais aguardadas por parte da grande massa que se inicia o trabalho do fotógrafo Gabriel Quintão. Por meio de suas lentes, registra o que restou do Carnaval depois que o estandarte deixa a avenida. Exposto pela primeira vez na edição de 2015 do projeto Nova Fotografia do Museu da Imagem e do Som, este trabalho, diferentemente do Carnaval, não tem fim. Ele recomeça a cada quarta-feira de cinzas, trazendo novamente um respiro à vida.

Serviço: de 17 de setembro a 20 de outubro

Museu Histórico Municipal Padre Francisco de Paula Lima

Rua Marechal Deodoro, 407 – Centro

São João da Boa Vista

O tempo de Amyr Klink, de Amyr Klink – Guarujá – A mostra traz 41 fotos das viagens do velejador, selecionadas por André Sturm, ex-diretor MIS, e por Marina Klink, fotógrafa e esposa de Amyr Klink. Amyr Klink impôs desafios a si próprio que resultaram em viagens pelo mar, muitas delas inéditas até os dias de hoje que o tornaram um dos mais originais e corajosos navegadores do mundo. De travessia solitária pelo Atlântico Sul em barco a remo, passando por longos trajetos realizados por meios inusitados como trike e wind car, a construções engenhosas de domos geodésicos, Amyr mostra que os limites do tempo e do espaço foram feitos para serem superados. A exposição traz um olhar apurado sobre essa trajetória singular, por meio de fotos que integram o livro Não há tempo a perder, e de outras inéditas que foram selecionadas especialmente para mostrar os longos caminhos já percorridos por Amyr Klink. Além de fotos da cocuradora, Marina Klink, a mostra cronológica conta com imagens feitas por pessoas próximas a Amyr, como seus pais, irmãos, grandes amigos e velejadores.

Serviço: de 23 de setembro a 03 de novembro.

Teatro Municipal Procópio Ferreira

Avenida Dom Pedro I, 350

Guarujá

Após a exibição em Guarujá, a exposição será inaugurada em Santos em 11 de novembro no MIS-Santos.

BAMBAS, de Hudson Rodrigues – Ribeirão Preto – Nas 18 imagens que compõem a série, o fotógrafo expõe de forma direta as situações de alguns negros que vivem em nosso País: o olhar da criança simples, mas de personalidade forte; o semblante da mulher negra cansada de uma vida de luta; os jovens cheios de garra mostrando suas posses com orgulho. As fotos foram feitas de forma direta, já que Hudson sempre esteve inserido em todas as cenas, afinal é um deles.

Serviço: de 28 de setembro a 17 de dezembro, de terça a sexta das 09h às 17h

MARP – Museu de Arte de Ribeirão Preto

Rua Barão de Amazonas, 323 – Centro

Ribeirão Preto

Após a exibição em Ribeirão Preto, a exposição será inaugurada em Porto Ferreira a partir de 20 de dezembro.

Crônica de banalidades ordinárias, de Sylvia Sanches – Birigui – Neste trabalho, Sylvia Sanchez encena com seu próprio corpo ações que sobrepõem os espaços supostamente antagônicos do estranho e do cotidiano. Suas imagens não têm como referência os pesadelos, os contos fabulosos, os filmes de horror ou os hábitos exóticos de comunidades distantes. O projeto nasce de um acontecimento corriqueiro apreendido pelo meio, numa configuração ainda não plenamente funcional, quando sua mãe busca uma posição para desamassar o forro de um antigo casaco pendurado na porta de seu guarda-roupa.

Serviço: de 30 de setembro a 30 de outubro, de terça a sexta das 08h às 17h, sábado das 08h às 11h

Biblioteca Municipal de Birigui

Avenida Governador Pedro de Toledo, 73 – Centro

Birigui

Após a exibição em Birigui, a exposição será inaugurada em Votuporanga a partir de 05 de novembro.

Sobre o Pontos MIS

O Pontos MIS é um programa de formação e difusão cultural com atuação em todo Estado de São Paulo. As cidades parceiras recebem programação de filmes, oficinas, palestras, exposições e formação em gestão cultural, visando a formação de novos públicos para a cultura e para o cinema.

Em 2020, por conta das restrições sanitárias adotadas em razão da pandemia causada pelo novo coronavírus, as atividades presenciais do Pontos MIS foram suspensas e substituídas por novos eixos de trabalho, virtuais, dentro do #MISemCasa (ação criada pelo Museu a fim de dar continuidade à programação da instituição, de forma digital e gratuita). O Pontos MIS segue com as atividades virtuais regulares no Canal do Museu no YouTube e, agora, também retoma a programação presencial com exposições do acervo do MIS.

Serviço

Site MIS

Redes

museudaimagemedosom
@mis_sp
@mis_sp
/missaopaulo

Museu da Imagem e do Som – MIS
Avenida Europa, 158, Jardim Europa, São Paulo| (11) 2117 4777 | www.mis-sp.org.br

Fonte: cultura.sp.gov.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *