Ucrânia: Criptomoedas estão ajudando a população a lidar com impactos econômicos da guerra

Ucrânia: Criptomoedas estão ajudando a população a lidar com impactos econômicos da guerra

Sanções às instituições financeiras russas e riscos financeiros devem impulsionar uso de criptoativos local e globalmente

A invasão da Rússia à Ucrânia segue tendo consequências sociais, políticas e econômicas. Para quem se encontra no país, o desafio de sobreviver se esbarra em diferentes aspectos, incluindo consequências financeiras. Rodrigo Soeiro, fundador da Monnos (https://monnos.com), primeiro cryptobank do Brasil, explica que essa guerra, dada a relevância dos países diretamente envolvidos, será a primeira em que as criptomoedas terão papel essencial tanto no auxílio à população, como no desvio das sanções.

“Já houve um movimento expressivo dos ucrânianos desde que começou a guerra, um aumento de quase 400% nas transações da principal exchange local, a Kuna. Esse dado foi obtido pela plataforma CoinGecko, que mostrou que no dia 24 de fevereiro, as transações via Kuna chegaram a 4 milhões de dólares. E o que isso significa? Significa que a população hoje vulnerável está recorrendo a cripto para tentar defender e salvar o seu patrimônio, já que estão ocorrendo bloqueios bancários em contas e sanções em instituições russas”, explica.

Rodrigo alerta que as sanções que já ocorreram contra a Rússia tendem a acelerar a sedimentação de um meio alternativo ao dólar e ao swift (plataforma global de transações financeiras) e este caminho passa pela criptoeconomia e CBDCs (Central Bank Digital Currency). “Por conta do cenário de sanções, estamos prestes a ver a redução do uso do Swift e do dólar por parte da Rússia, imediatamente, e da China, possivelmente. Essa alternativa é ambicionada por tais países há muito tempo e, dada a relevância comercial que já têm em nações ao redor do mundo, talvez ocorra sua concretização. Infelizmente, é muito triste prever que será por meio de um conflito desta magnitude, que a adoção global de criptomoedas terá uma tração ainda maior”, conclui o especialista.

Sobre a Monnos

Primeiro cryptobank do Brasil, a Monnos já opera em mais de 118 países oferecendo mais de 90 criptoativos diferentes. Entre os seus serviços, além do cartão com cashback, a companhia também trabalha com pagamento de boletos, oferece uma rede social de investimentos e possui um agregador de notícias, para que a base de clientes esteja sempre ciente de tudo o que acontece com o mercado cripto. Atualmente, conta com mais de 35 mil usuários no Brasil e no mundo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *