O SUCESSO DA SUÉCIA – O DISTANCIAMENTO SOCIAL SEM QUARENTENA: uma resposta ao mundo de como não se quebrar uma nação.

O SUCESSO DA SUÉCIA – O DISTANCIAMENTO SOCIAL SEM QUARENTENA: uma resposta ao mundo de como não se quebrar uma nação.

Por Adinaldo Diniz

Treinou os funcionários do setor aéreo e do setor hoteleiro para atuar nas frentes de atendimento em lares de idosos (asilos) e assistentes de hospitais em Estolcomo. Todos receberam treinamento – 3 dias de curso intensivo de doenças infecto contagiosas, higiene e segurança. Assim, os empregados continuaram trabalhando, mas em outras frentes enquanto o setor aéreo está parado.

Estabeleceu normas e termos de funcionamento em todos os setores econômicos, ensinando através de muita orientação e comunicação cada um dos protocolos de funcionamento que leva em conta: número de pessoas dentro de cada ambiente, como funcionar cada serviço, a distância entre as pessoas e as normas de higiene. No site de saúde do país existem informações claras sobre a doença, sobre as prevenções, dúvidas tiradas de cada setor e cada um dos protocolos estabelecidos

As pessoas não deixaram de fazer suas atividades, de trabalhar – mesmo o país tendo uma das mais altas taxas de desemprego da Europa – e o país evitou entrar numa recessão ainda pior.

Dizer que o país passa ileso pelo número de mortos, claro que não. O país se preparou,, fez hospitais de campanha, informou sua população, mas não colocou o país em confinamento total. E os resultados são abismais!

RESULTADOS DO DISTANCIAMENTO SOCIAL NA SUÉCIA
No Brasil, com a quarentena parcial obrigatória e violenta, morreram 1,5 vezes mais pessoas que na Suécia, onde tudo funciona com distanciamento social .

Ainda em comparação com o Brasil, sem essa loucura de isolamento social em casa, o NÚMERO DE INFECTADOS É 3 VEZES MENOR ! Isso mesmo: lá são 15 mil casos contra 45 mil casos no Brasil. Só tem uma diferença gigantesca: LÁ SE FAZ TESTES EM GRANDE ESCALA.

Enquanto a estratégia aqui foi errada do começo ao fim, fazendo testes só nos doentes graves como fez erroneamente a Itália e se liberava os casos com suspeita leve pra casa, lá se testou tudo. Não somente testes, mas estudos de DNA foram feitos na população para medir o grau de contaminados assintomáticos e os que desenvolveram imunidade ao patógeno – a famosa imunidade de rebanho.

A mesma burrice italiana de liberar os casos leves foi feito aqui. Burrice porque os casos leves podem ser os 90% assintomáticos ou com sintomas leves. Essas pessoas foram dispensadas para seus trabalhos e casas sem nenhuma restrição contaminando ainda mais pessoas. Só muito tempo depois, sob a orientação da fraca liderança da OMS que as pessoas com sintomas leves receberam atestados de 14 dias junto com seus acompanhantes. Continuamos na mesma burrice ao impor o isolamento social colocando em risco as pessoas que não tiveram contato com o vírus com milhares de outras pessoas que já tiveram o contato. Essa segunda estratégia é burra porque não se põe uma população em quarentena sem testar quem tem ou não o vírus. Aí dá nisso: aumento de casos graves e mortes.

Na Suécia, essa mesma análise foi feita antes de propor as soluções a serem aplicadas. Ao, novamente, sugerir o distanciamento social, criar protocolos de funcionamento para os setores do comércio ao de alimentos passando até por ajuntamentos em casas e bares noturnos, o mesmo país testou sua população e no dia de ontem pode constatar um número que deixou os especialistas de Oxford admirados com a Suécia e a dizerem que o país e um exemplo na guerra contra o covid19. Lá, segundo dados do governo sueco, MAIS DE 500 MIL PESSOAS JÁ ADQUIRIRAM IMUNIDADE AO COVID19 SEM QUE HOUVESSE UMA EXPLOSÃO DE MORTOS !

Quer mais? Johan Giesecke, ex-epidemiologista de Estocolmo afirma que mais de 30% da população de Estocolmo já está imunizada e até o meados de maio, mais de 50% a 60% da população estará imunizada.

O corpo unificado de especialistas em infecções existentes lá aponta dois caminhos para interromper uma epidemia: vacina ou imunidade de rebanho. Para terem a conclusão nos resultados apresentados, diariamente eles realizam estudos como os testes de DNA e estudos de anticorpos realizados.

CONCLUSÃO
Se alguém ainda tinha dúvidas de que outras estratégias para lidar com a covid19 são bem mais arriscadas, mas que trazem resultados muito mais promissores está aí o exemplo da Suécia.

Infelizmente, pelos resultados apresentados, fica evidente a falta de capacidade analítica dos governadores do país que sem evidências científicas do “achatamento da curva” – que é baseado em um modelo probabilístico matemático – fizeram cada um a seu jeito sua quarentena. E continuam incapazes porque criaram um problema difícil de sair: uma vez que você cria uma quarentena onde já centenas de pessoas tem a doença e não são identificadas, liberar da quarentena sem testar uma grande parte da população vai GERAR UMA SEGUNDA ONDA maior do que SE NÃO TIVESSE FEITO A QUARENTENA TARDIAMENTE.

O horário de uma quarentena total é em casos de transmissão não comunitária. Depois disso, quando centenas de pessoas já foram infectadas e o vírus circula livremente por mais de um mês como foi aqui, e ainda não se fizeram testes para isolar os casos leves, a quarentena é inútil e segurar o número de casos arrastando por meses a economia de um país vai destruí-lo. As epidemias têm seus picos ascendentes, quando atingem 60% ou mais da população ela cai. Todos que transportam essa curva sabem que no momento do pico da epidemia não tem sistema algum que segure, nem mesmo esses esforços milionários sendo feitos. Aqui ainda pior, porque do jeito que estão fazendo, prolongando essa curva, vão jogar o vírus no inverno, onde ele, junto com o H1N1, SARS, MERS, DPOC e outras doenças respiratórias farão um estrago ainda maior, caindo de novo, no equívoco italiano e nova iorquino de decretar todas as mortes que virão como covid19, por serem muitas e não ser possível diagnosticar as outras mortes por DPOC por exemplo ou por infarto agudo do miocárdio. Vão insuflar o número de mortos.

A Suécia sai dessa pandemia do mesmo jeito que entrou: com seu país em funcionamento, com as pessoas livres, sem serem rastreadas por celulares, sem serem presas por abrir comércios, sem destruir sua economia tirando bilhões dos seus cofres, sem uma imprensa nojenta lucrando com a desgraça do vírus e sem políticos se aproveitando da situação.

E o Brasil, sairá como?

Fontes:
https://www.aftonbladet.se/nyheter/a/Op9VOA/da-ar-coronakrisen-over-i-stockholm–redan-tecken-pa-flockimmunitet

https://www.aftonbladet.se/nyheter/a/wPGlm1/oxfordprofessorn-hyllar-sverige-foredome-i-coronakrisen

https://www.aftonbladet.se/nyheter/a/g7nl45/folkhalsomyndigheten-vi-ser-en-avmattning

https://pt.euronews.com/2020/04/13/suecia-combate-covid-19-em-contramao

https://pt.euronews.com/2020/04/12/tripulacoes-aereas-convertidas-em-assistentes-hospitalares

https://www.express.co.uk/news/world/1268263/sweden-coronavirus-lockdown-measures-covid-19-stefan-lofven-gathering-ban

https://www.thelancet.com/journals/lanpub/article/PIIS2468-2667(20)30090-6/fulltext

One Reply to “O SUCESSO DA SUÉCIA – O DISTANCIAMENTO SOCIAL SEM QUARENTENA: uma resposta ao mundo de como não se quebrar uma nação.”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *